Ampliar imagem | Tamanho original
Um terreno que não existe. Uma floresta de pinheiros ao longo de uma colina em Murtas. Um muro de arrimo preexistente construído ao modo vernacular Alpujarra, usando pedras brutas locais. O programa propõe um espaço para velórios. Uma grande viga de pedra cria um espaço de transição. Uma vez dentro, encontramo-nos em um espaço côncavo (uma caverna) que conecta a terra e o céu. Dois ambientes côncavos, um público e outro mais privado. A luz como um reflexo ontológico de cada espaço. No ambiente público, a abundância de luz cerca e envolve, na câmara mais íntima, uma luz mais sútil pontua o lugar. O sol do meio dia forma uma elipse, um anel contínuo de luz direta e indireta, onde terra e céu se reúnem num momento mágico particular que busca ascender a alma. Veja mais Veja a descrição completa
Compartilhar Compartilhar