O site de arquitetura mais visitado do mundo
Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Artigos
  3. Arquitetura vernacular: casas Musgum, nos Camarões

Arquitetura vernacular: casas Musgum, nos Camarões

Arquitetura vernacular: casas Musgum, nos Camarões
Arquitetura vernacular: casas Musgum, nos Camarões, © Patrick Lapierre
© Patrick Lapierre

Durante os últimos três séculos, a comunidade Musgum (ou Mousgoum) tem habitado as planícies da fronteira norte dos Camarões. Suas casas, chamadas em seu idioma de Tolek, foram conhecidas pelo ocidente na década de 1850, quando o explorador alemão Heinrich Barth viajou ao centro e norte da África.

As comunidades são compostas por até 15 cúpulas de terra compactada, cada uma com uma função diferente e determinada pela necessidade do grupo familiar. Apesar de não parecerem viáveis no tecnológico e "avançado" mundo de hoje, as casas Musgum nos apresentam um grande exemplo de arquitetura sustentável, simplesmente por cumprir perfeitamente sua "tarefa": sem adornos nem excessos, respondem com exatidão às necessidades de seus usuários e aproveitam ao máximo o principal material disponível na região.

O que podemos resgatar deste exemplo? Veja, a seguir, os desenhos, composição espacial e imagens deste exemplo de arquitetura vernacular.

Mantención de una Vivienda. Image © Cité des science et de l'industrie, Paris
Mantención de una Vivienda. Image © Cité des science et de l'industrie, Paris

Por muitos anos pensou-se que as casas Tolek haviam desaparecido totalmente, já que em 1930 o colonialismo francês ocupou a região, gerando mudanças nas estruturas sociais, o surgimento de doenças e a emigração de muitos habitantes locais. Porém, estas construções resistiram, e o turismo desempenhou um papel fundamental na popularidade destas nos anos 90, com o investimento da agência de desenvolvimento americana USAID. Foi assim que estas casas começaram a reaparecer, aumentando em número e resgatando um passado cultural de grande valor arquitetônico.

Detalle. Image © Cité des science et de l'industrie, Paris
Detalle. Image © Cité des science et de l'industrie, Paris

Tradicionalmente, as casas Musgum têm uma implantação peculiar, com a unidade do pai situada na parte mais importante e as unidades dos demais familiares ao redor. Esta configuração é o resultado dos objetivos e necessidades do grupo unificado. As construções de agrupam em um círculo composto por até quinze casas e um muro que as envolve, indicando que todas pertencem à mesma família.

Nem todas as casas têm o mesmo tamanho, já que isto depende totalmente de sua função. O espaço entre as casas também tem uma finalidade específica: uma área para o gado, para as brincadeiras das crianças e para os conselhos familiares. 

Planta / Corte
Planta / Corte

Suas fachadas contam com diferentes padrões geométricos e seguem a forma de uma grande concha, com a porta em destaque, marcando realmente a entrada da casa. Apesar de não ter fundações sua estrutura é muito sólida: as paredes mais grossas se localizam no embasamento e as mais finas na parte superior, assegurando sua resistência estrutural.

Suas paredes apresentam texturas bastante acentuadas, o que permite identificar as unidades através dos diferentes tipos de "ranhuras" que funcionam, também, para a drenagem da água. Estas "ranhuras" permitem que seus habitantes subam no alto das cúpulas para realizar sua manutenção. A parte superior das casas têm uma abertura que permite a circulação de ar.

© Via Flickr, Usuario bilou
© Via Flickr, Usuario bilou

As casas Musgum se encontram nas planícies de Camarões e em algumas regiões do Chade, onde madeira e pedra não estão disponíveis. É por isso que se usa a terra artesanal, que não necessita de formas para sua aplicação. O uso deste material nas paredes espessas não apenas mantém a casa em uma temperatura amena, como também é um método construtivo de baixa emissão de CO2.

Corte
Corte

O tipo de terra, sua preparação e a quantidade de água necessária são apenas conhecidas pelos construtores locais. Apesar de ser um processo bastante lento, esta técnica apresenta a ventagem de utilizar pouquíssimas ferramentas e uma mão de obra mínima. Lamentavelmente, a maior parte deste conhecimento se perdeu nos últimos anos com a ilusão do "desenvolvimento moderno", porém, espera-se que estes conhecimentos sejam resgatadas com o interesse que estas técnicas têm gerado no eco-turismo.

Referência: Architecture in Development / Imagens via Panoramio, usuários: Patrick Lapierre / Maremagna; Via Flickr, usuário bilou

* Saiba mais sobre construção com terra aqui.

Ver a galeria completa

Sobre este autor
Cita: Franco, José Tomás. "Arquitetura vernacular: casas Musgum, nos Camarões" [Arquitectura Vernácula: Viviendas Musgum en Camerún ] 13 Jan 2014. ArchDaily Brasil. (Trad. Baratto, Romullo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/167330/arquitetura-vernacular-casas-musgum-nos-camaroes> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.