ArchDaily Brasil | O site de arquitetura mais visitado do mundo, agora em portuguêsO site de arquitetura mais visitado do mundo

i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos

Dubai busca romper novos limites com este arranha-céu giratório

15:00 - 24 Março, 2017

Nos próximos anos, Dubai pode se tornar o lar de mais uma extravagante obra de arquitetura: um arranha-céu giratório. Projetado por Davis Fisher da Dynamic Architecture, a proposta para a torre de 80 andares e 381 metros de altura possui pavimentos independentes que podem girar 360 graus em ambas as direções, oferecendo vistas mais abrangentes aos seus residentes.

Um núcleo central estático conectará os pisos giratórios, cada qual será pré-fabricado e posteriormente anexado à torre.

Sede BNL-BNP Paribas / 5+1AA Alfonso Femia Gianluca Peluffo

13:00 - 24 Março, 2017
Sede BNL-BNP Paribas / 5+1AA Alfonso Femia Gianluca Peluffo, © Luc Boegly
© Luc Boegly

© Luc Boegly © Luc Boegly © Luc Boegly © Luc Boegly +32

  • Arquitetos

  • Localização

    Roma Tiburtina, 00162 Roma, Itália
  • Autores

    Alfonso Femia, Gianluca Peluffo, Simonetta Cenci
  • Equipe

    Alfonso Femia, Alessandro Bellus
  • Área

    75000.0 m2
  • Ano do projeto

    2016
  • Fotografias

Eduardo Souto de Moura recebe o Prêmio Piranesi de Carreira

12:30 - 24 Março, 2017
Eduardo Souto de Moura recebe o Prêmio Piranesi de Carreira, ©  Yusuke Suzuki
© Yusuke Suzuki

O arquiteto Eduardo Souto de Moura receberá hoje, na Casa da Arquitetura - Acquario Romano, em Roma, o Piranesi Prix de Rome 2017, um prêmio de carreira atribuído pela Academia Adrianea de Arquitetura e Arqueologia Onlus. O arquiteto receberá o prêmio esta tarde em uma cerimônia na Casa da Arquitetura - Acquario Romano, onde dará uma palestra sobre os momentos mais importantes da sua carreira, iniciada nos anos de 1980.

Arquitetos peruanos buscam aprender das florestas do mundo: uma viagem pela Indonésia, Camarões, Honduras e Peru

12:00 - 24 Março, 2017
Arquitetos peruanos buscam aprender das florestas do mundo: uma viagem pela Indonésia, Camarões, Honduras e Peru, Cortesía de Construye Identidad
Cortesía de Construye Identidad

Paradoxalmente, os projetos mais interiorizados com seu país transcendem suas fronteiras. Pois, precisamente, seu trabalho de conexão interna e introspecção com as tradições das comunidades mais antigas e ocultas, leva-os a buscar mais conexões e ressonâncias fora dos limites. Esta viagem dentro-fora nos concerne a todos, vejamos o porquê...

O projeto "A través de las selvas del mundo", da associação peruana sem fins lucrativos Construye Identidad, é um trabalho multidisciplinar que vem sendo desenvolvido há mais de um ano nas comunidades da floresta peruana de Junín, documentando os desafios que enfrenta a arquitetura vernacular e o habitar da selva, na era da globalização e mudanças climáticas. 

Agora começou a etapa seguinte, onde a equipe viajará ao longo da Franja Climática Tropical do mundo para visitar as selvas de quatro continentes, um país por continente: Indonésia, Camarões, Honduras e Peru. Estes foram selecionados com base na similaridade das características tanto geográficas como demográficas, os desafios econômicos e da riqueza cultural; a fim de evidenciar as problemáticas compartilhadas ao longo dos bosques tropicais do mundo.

Sala de Concertos William M. Lowman / Sander Architects

11:00 - 24 Março, 2017
Sala de Concertos William M. Lowman / Sander Architects, © Sharon Risedorph Photography
© Sharon Risedorph Photography

© Sharon Risedorph Photography              © Sharon Risedorph Photography              © Sharon Risedorph Photography              © Sharon Risedorph Photography              +31

As melhores cidades do mundo para se viver (e porque as brasileiras estão mal colocadas)

10:00 - 24 Março, 2017
As melhores cidades do mundo para se viver (e porque as brasileiras estão mal colocadas), 1º Lugar no Ranking Mercer 2017 de Qualidade de Vida.Viena, Áustria. Fotografia: imagine_reality via VisualHunt.com /  CC BY
1º Lugar no Ranking Mercer 2017 de Qualidade de Vida.Viena, Áustria. Fotografia: imagine_reality via VisualHunt.com / CC BY

A consultoria estadunidense Mercer, dedicada a pesquisas nas áreas de "talentos, saúde, aposentadoria e investimentos", divulgou os resultados de seu Ranking 2017 de Qualidade de Vida, uma lista anual que elenca as melhores cidades do mundo para se viver. 

Cidades da Europa ocidental dominam a lista das cidades com os maiores índices de qualidade de vida, com Viena permanecendo na primeira colocação pelo oitavo ano consecutivo. A infraestrutura urbana desempenha um importante papel na escolha das empresas para os novos locais de suas filiais, assim, este tópico se destaca em uma lista individual que teve o primeiro lugar ocupado por Singapura este ano. 

Mucca / Studio Boscardin.Corsi Arquitetura

09:00 - 24 Março, 2017
Mucca / Studio Boscardin.Corsi Arquitetura, © Eduardo Macarios
© Eduardo Macarios

© Eduardo Macarios © Eduardo Macarios © Eduardo Macarios © Eduardo Macarios +24

Quiosque K67: O projeto modular dos anos 60 que permanece vivo até hoje

07:00 - 24 Março, 2017
Quiosque K67: O projeto modular dos anos 60 que permanece vivo até hoje, Slovenian designer Saša J. Mächtig conceived the concept for the Kiosk K67 project half a century ago, but its ideas of indeterminacy and open-endedness remain relevant. Image Courtesy of Museum of Architecture & Design, Ljubljana
Slovenian designer Saša J. Mächtig conceived the concept for the Kiosk K67 project half a century ago, but its ideas of indeterminacy and open-endedness remain relevant. Image Courtesy of Museum of Architecture & Design, Ljubljana

Esse artigo foi publicado originalmente pela Metropolis Magazine sob o título "The Enduring Lives of Saša Machtig's Modular Creations."

Mesmo em idade relativamente avançada, o Quiosque K67 - um sistema de estruturas modulares em fibra de vidro - se mantém ativo. Um quiosque em Kromberk, na Eslovênia, na antiga Iugoslávia tornou-se um espaço para criar abelhas. Outro, usado por um vendedor de alimentos da Bósnia e Herzegovina, recebeu uma adição de alvenaria. Na Liubliana, um quiosque que, anteriormente abrigava os atendentes de um estacionamento, agora suporta uma máquina de bilhetes automatizada.

Estas podem não ter sido as adaptações que o designer esloveno Saša J. Mächtig tinha em mente quando concebeu pela primeira vez o K67, há 50 anos. Mas contabilizar todos elas teria sido impossível. Em teoria, o sistema permitiu configurações e variações ilimitadas. Quando a produção parou em 1999, cerca de 7.500 unidades do K67 tinham sido fabricadas. Enquanto a maioria permaneceu na Iugoslávia, alguns foram exportados para o exterior - entre outros lugares, para a Polônia, Japão, Nova Zelândia, Quênia, Iraque, a antiga União Soviética e os Estados Unidos. Em todo o mundo, eles foram adaptados para usos que vão desde as estações de patrulha de fronteira a estandes de esqui, cabines para varejo e fast-food. Ninguém está realmente certo de quantos ainda estão em uso hoje ou que outros tipos existem, mas essa capacidade interminável de surpresa está entre suas maiores qualidades. A K67, uma recente retrospectiva do trabalho de Mächtig no Museu de Arquitetura e Design na Liubliana, conseguiu restaurar seu brilho original. E o fez sem suprimir os desvios. Como Maja Vardjan escreve em seu ensaio de catálogo, o que distingue o K67 é "a sua posição entre a arquitetura e o design industrial, o encaixe na moldura de uma cidade e sociedade modernas, nos rituais da vida cotidiana e, por último, mas não menos importante, sua persistente capacidade de reinventar-se". Enquanto os esquemas arquitetônicos visionários das décadas de 1960 e 1970 podem inspirar anseio nostálgico (o que poderia ter sido!), os quiosques K67, mesmo que desapareçam, provocam uma pergunta: por que eles persistiram por tanto tempo?

Pajubar / Grená Arquitetura

05:00 - 24 Março, 2017
Pajubar / Grená Arquitetura, © Felipe Gontijo
© Felipe Gontijo

© Felipe Gontijo © Felipe Gontijo © Felipe Gontijo © Felipe Gontijo +13

  • Arquitetos

  • Localização

    Avenida Santos Dumont, 360, Centro, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil
  • Arquiteto Responsável

    Gregório Fiorotti
  • Autores

    Gregório Fiorotti, Renato Machado
  • Área

    0.0 m2
  • Ano do projeto

    2016
  • Fotografias

Vinícola Zuccardi no Valle de Uco / Tom Hughes + Fernando Raganato + Eugenia Mora

21:00 - 23 Março, 2017
Vinícola Zuccardi no Valle de Uco / Tom Hughes + Fernando Raganato + Eugenia Mora, © estudio García+Betancourt
© estudio García+Betancourt

© estudio García+Betancourt © estudio García+Betancourt © estudio García+Betancourt © estudio García+Betancourt +23

Brooks + Scarpa revelam sua proposta para novo parque no centro de Los Angeles

19:00 - 23 Março, 2017
Brooks + Scarpa revelam sua proposta para novo parque no centro de Los Angeles, © Brooks + Scarpa
© Brooks + Scarpa

O escritório Brooks + Scarpa divulgou sua proposta para o concurso FAB Park, que buscava projetos para um novo parque público de US$ 12 milhões, situado no centro de Los Angeles.

FAB (First and Broadway) Civic Center Park visa capitalizar o caráter diverso da cidade e estimular uma forte atividade comunitária entre os membros do público, através da inclusão de espaços para alimentação, arte e socialização.

© Brooks + Scarpa © Brooks + Scarpa © Brooks + Scarpa © Brooks + Scarpa +28

Centro Nacional de Design Gráfico Le Signe / MOATTI-RIVIERE

17:00 - 23 Março, 2017
Centro Nacional de Design Gráfico Le Signe / MOATTI-RIVIERE, © Michel Denancé
© Michel Denancé

© Michel Denancé © Michel Denancé © Michel Denancé © Michel Denancé +19

  • Arquitetos

  • Localização

    52000 Chaumont, França
  • Arquiteto Responsável

    Alain Moatti
  • Área

    2.460 m²
  • Ano do projeto

    2016
  • Fotografias

Vídeo: Palestra com Carrilho da Graça no MCB

16:00 - 23 Março, 2017

Museu da Casa Brasileira, instituição da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, apresenta a exposição Carrilho da Graça: Lisboa, onde o arquiteto explora o território e sua topografia como a base de seus trabalhos.

Carrilho da Graça trabalha em escritório próprio desde que se formou na Escola Superior de Belas-Artes em Lisboa. Ao conjunto da sua obra foram atribuídos diversos prêmios, como o prêmio Aica (Associação Internacional dos Críticos de Arte) em 1992, a Ordem de Mérito da República Portuguesa em 1999, o prêmio da Bienal Internacional da Luz – luzboa em 2004, o título de “Chevalier des arts et des lettres” pela república francesa em 2010, o “Prêmio Pessoa” em 2008.

Quão agressiva pode ser a arquitetura em relação ao espaço público e aos moradores de rua

15:00 - 23 Março, 2017
Quão agressiva pode ser a arquitetura em relação ao espaço público e aos moradores de rua, Bench outside St. Paul's Cathedral, London. Image Cortesia de James Furzer
Bench outside St. Paul's Cathedral, London. Image Cortesia de James Furzer

Nos últimos anos, a comunidade arquitetônica se tornou fortemente envolvida, tanto de forma positiva como negativa, com a questão global crônica da falta de moradia. Em resposta, James Furzer, do Spatial Design Architects, realizou uma análise fotográfica explorando formas defensivas de desenho urbano. Usando a tipologia de bancos públicos em Londres, Furzer documenta dispositivos públicos que atuam como dissuasores para os moradores de rua, basicamente negando um direito à cidade para aqueles que não têm escolha senão estar lá.

East India bench, London. Image Cortesia de James Furzer Tower Hill bench, London. Image Cortesia de James Furzer Bench outside the Royal Courts of Justice, London. Image Cortesia de James Furzer Canary Wharf Station bench, London. Image Cortesia de James Furzer +12

30 Cortes de auditórios para te inspirar

14:00 - 23 Março, 2017
30 Cortes de auditórios para te inspirar

Abordar o espaço de um auditório através de seus cortes permite entender a representação como uma adequada ferramenta para se aproximar ao projeto de acústica, acessibilidade e iluminação. Estes componentes são os que fazem do desenho de um auditório uma tarefa complexa, e que evidenciam a necessidade de realizar estudos pertinentes e específicos.

Existe uma diversidade de respostas às coxias de um auditório que concebem múltiplas formas de afrontar as demandas que exigem. Por isso, selecionamos uma série de cortes de diferentes auditórios que podem te ajudar a compreender como alguns arquitetos resolveram este desafio.

A seguir, veja a seleção de 30 auditórios que podem te inspirar.

Residência Preta / K2A

13:00 - 23 Março, 2017
Residência Preta / K2A, © Nicolas Schimp
© Nicolas Schimp

© Nicolas Schimp © Nicolas Schimp © Nicolas Schimp © Nicolas Schimp +34

  • Arquitetos

  • Localização

    Bruxela, Bélgica
  • Arquitetos Responsáveis

    Federico Alegria, Stéphane Kervyn, Laurent Keutgen
  • Colaboradores

    Denis Vangansbergt, Flavia Radu
  • Cliente

  • Área

    560.0 m2
  • Ano do projeto

    2016
  • Fotografias

Essas imagens de manicômios abandonados mostram arquiteturas que foram projetadas para curar

12:00 - 23 Março, 2017
Essas imagens de manicômios abandonados mostram arquiteturas que foram projetadas para curar, Courtesy of Matt Van der Velde
Courtesy of Matt Van der Velde

Com a pintura rachada, a vegetação crescendo, a ferrugem e a decadência, edifícios abandonados esculpiram um gênero fotográfico que brinca com o nosso complexo fascínio com os remanescentes perversos do nosso passado. Enquanto o interesse intelectual em ruínas tem sido registrado há séculos, a popularidade e controvérsias do "ruin porn" contemporâneo pode ser rastreado até em torno de 2009, quando a série feral houses do fotógrafo James Griffioen provocou um debate sobre o potencial prejuízo na apropriação estética do colapso urbano.

Um assunto favorito neste campo são os manicômios americanos, cujos trágicos restos carregam ecos da história desagradável de tratamento de doença mental nos Estados Unidos. Estes sanatórios financiados pelo Estado estavam intensamente superlotados e, muitas vezes, alojavam pacientes em condições deploráveis no século XX. A partir de 1955, com a introdução da droga antipsicótica Thorazine, essas instituições foram fechadas em grande número, para nunca mais serem reabertas [1]. Agora, esses manicômios fechados, mas não demolidos, que pontilham o país, são objeto da "ruin porn" que negligencia uma parte igualmente importante da narrativa dos edifícios: seu começo. Em sua recente sessão de fotos Abandoned Asylums,, o fotógrafo Matt Van der Velde retrata este período anterior da arquitetura de manicômios, quando as instituições foram construídas na crença de que o ambiente construído teria o poder de curar.

Courtesy of Matt Van der Velde Courtesy of Matt Van der Velde Courtesy of Matt Van der Velde Courtesy of Matt Van der Velde +61

Casa Pitch / Atelier M+A

11:00 - 23 Março, 2017
Casa Pitch / Atelier M+A, © Jaume Albert Martí
© Jaume Albert Martí

© Masaki Harimoto © Masaki Harimoto © Masaki Harimoto © Masaki Harimoto +32

  • Arquitetos

  • Localização

    Singapura
  • Autores

    Masaki Harimoto, Ng Ai Hwa
  • Equipe de Projeto

    Steffi Marie Escalera Vinca, Chau Zi En, Trang Nguyen-Pham
  • Área

    160.0 m2
  • Ano do projeto

    2016
  • Fotografias