i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. São esses os melhores trabalhos de graduação de 2017?

São esses os melhores trabalhos de graduação de 2017?

São esses os melhores trabalhos de graduação de 2017?
São esses os melhores trabalhos de graduação de 2017?, Vencedor ‘Housing for Construction Workers in Ahmedabad’, por Hannah Broatch (Auckland, Nova Zelândia). Image Cortesia de Archiprix International
Vencedor ‘Housing for Construction Workers in Ahmedabad’, por Hannah Broatch (Auckland, Nova Zelândia). Image Cortesia de Archiprix International

A cada dois anos as escolas de arquitetura de todo o mundo são convidadas a enviar seu melhor projeto de graduação à competição e exposição Internacional Archiprix. Este ano, o evento selecionou Ahmedabad, na Índia, para expor os resultados. Aqui Arjen Oosterman, Editor-in-Chief of Volume, analisa o evento e os trabalhos expostos. Você pode ler uma entrevista com o diretor de Archiprix, Henk van der Veen, aqui.

Desde a sua criação no início do milênio (2001), Archiprix International provou ser uma aventura com enorme ambição. Recolher, uma vez a cada dois anos, os melhores projetos de graduação de arquitetura, paisagismo e urbanismo em todo o mundo não é pouca coisa. Exibir de forma abrangente este material é também um desafio, e para criar um evento significativo e produtivo ao redor da sessão de premiação - dando o centro do palco para os graduados selecionados e seus projetos - é uma tarefa semelhante a caminhar em uma corda bamba. E, no entanto, é isso que eles estão conseguindo.

Vencedor ‘Housing for Construction Workers in Ahmedabad’, por Hannah Broatch (Auckland, Nova Zelândia). Image Cortesia de Archiprix International Favorito dos participantes (24 votos), ‘Walk Around Music’ por Hannah LaSota (University Park, USA) l. Image Cortesia de Archiprix International Favorito entre participantes (24 votos), ‘Walk Around Music’ by Hannah LaSota (University Park, EUA). Image Cortesia de Archiprix International ‘A Different Kind of Museum’ por Andrei Puică (Timisoara, Romênia). Image Cortesia de Archiprix International +9

Vencedor ‘Badabing Badaboom’ por Jason Tan (Singapura) . Image Cortesia de Archiprix International
Vencedor ‘Badabing Badaboom’ por Jason Tan (Singapura) . Image Cortesia de Archiprix International

Há alguns componentes simples para a fórmula que são fundamentais para o seu sucesso. O primeiro: estimular novos talentos, um fator incontestável como escolas, a indústria da construção civil (Hunter Douglas como patrocinador) e os próprios graduandos estão felizes em participar. Como um conceito, ele naturalmente se relaciona com os interesses e metas de cada ator. Em segundo lugar, o prêmio é uma mistura inteligente de um Oscar: a mistura de um júri profissional e o voto popular. Um júri seleciona uma lista de candidatos (23 no caso deste ano) e escolhe os oito melhores. Os candidatos indicados à lista prévia são anunciados antecipadamente, criando assim o ímpeto e, durante a grande cerimônia de premiação, os oito projetos premiados são apresentados. Além do júri profissional, todos os participantes também são convidados a votar resultando em uma seleção paralela dos "favoritos dos participantes". Ambas as categorias (41 projetos no total desta vez, alguns favoritos dobraram com os indicados ao júri) são apresentadas como uma seção especial na exposição principal. E, em terceiro lugar, o programa é enriquecido por workshops que precedem a cerimônia de premiação, para a qual os participantes podem se inscrever. Na realidade, cerca de um quinto realmente participam.

Esta fórmula é bem sucedida em fornecer a exposição aos talentos novos, forjando oportunidades da rede em uma escala verdadeiramente global, e criando o que poderia ser descrito como um momento de referência para todas as escolas participantes (e mesmo aquelas não-participantes). A exposição mostra o que a nova geração está fazendo e quais escolas são as mais bem-sucedidas na entrega de profissionais interessantes. Também evidencia - quando você toma um tempo para observar - as tendências e desenvolvimentos entre os diferentes 'turnos' deixando as escolas.

Vencedor ‘Housing for Construction Workers in Ahmedabad’, por Hannah Broatch (Auckland, Nova Zelândia). Image Cortesia de Archiprix International
Vencedor ‘Housing for Construction Workers in Ahmedabad’, por Hannah Broatch (Auckland, Nova Zelândia). Image Cortesia de Archiprix International

Esta última eição foi realizada na Universidade CEPT em Ahmedabad, na Índia. Projetado por Balkrishna V. Doshi, o campus é uma demonstração incrível do quão relaxada e generosa a arquitetura pode ser; como edifícios podem convidar em vez de prescrever o uso da ocupação. Ahmedabad como contexto está adicionando a este uma coleção de destaques centenárias e modernistas, entre vários projetos de Le Corbusier (Edifício Mill Owners, Villa Sarabhai, Sanskar Kendra Museum, Villa Shodan), Louis Kahn (Indian Institute of Management) , um Eames (Instituto Nacional de design), e assim por diante. Mas, além de "mestres", esta parte da Índia parece ser o habitat natural para o Modernismo arquitetônico - de fato, suas ambições espaciais podem ser exploradas ao máximo no clima, sem obstáculos pela necessidade de proteger do frio, para selar edifícios e encapsulá-los. A cidade está cheia de desafios especiais também que come mão-em-mão com desenvolvimento metropolitano. Tudo em todos, portanto, um terreno fértil para as oficinas explorarem.

No que diz respeito ao resultado, foi interessante observar que um tema como a sustentabilidade já não é o foco principal de muitos projetos, mas um componente programático que é mais naturalmente interligado à questão central a ser enfrentada. Outra nova realidade surpreendente foi que havia tão poucos projetos que foram "vestidos para impressionar" (como o majestoso estádio, a torre de energia, e assim por diante). A atenção foi dedicada às necessidades e situações que pediam atenção; Para soluções inteligentes e processos inventivos. Havia claramente uma ânsia entre os participantes de contribuir e fazer a diferença - e, portanto, não se destacando tanto.

Filippo Fanciotti (Genova, Itália) . Image Cortesia de Archiprix International
Filippo Fanciotti (Genova, Itália) . Image Cortesia de Archiprix International

As submissões russas demonstraram que a metodologia hardcore de Beaux-Arts (dominante na maioria dos seus projetos até este ano) parecem estar recuando - o que é um alívio. Em termos mais globais, uma percentagem cada vez maior dos projetos participantes atinge um elevado nível de sofisticação (na apresentação e na abordagem da questão em que se centra o projeto). Ingenuidade só pode ser encontrado em alguns projetos, na minha opinião. É difícil dizer se isso é parte do "Efeito Archiprix", estimulando as escolas a proporcionarem uma educação melhor, mas a exposição e o intercâmbio internacionais são certamente influentes - também no que os alunos esperam e exigem de sua escola. Há também uma clara superação de uma consciência da agência política da arquitetura. O projeto de Jason Tan (Cingapura), dedicado "à política do ar condicionado em uma cidade que vive o boom da exploração do ouro", é um bom exemplo. Em seu projeto Gold Exchange annex Gold Miners Union building para Dunkwa, Gana ele expõe habilmente expõe a presença exploradora da China na África.

E enquanto isso tudo soa como uma boa notícia, a arquitetura e a prática arquitetônica precisam mudar para desempenhar um papel (mais) relevante nas transformações e desafios que nossas sociedades estão enfrentando. Expor talentos e estimular uma educação de qualidade é importante, mas pode não ser suficiente. Como ligar corretamente o interior e o exterior da profissão é o próximo obstáculo.

Favorito dos participantes (24 votos), ‘Walk Around Music’ por Hannah LaSota (University Park, USA) l. Image Cortesia de Archiprix International
Favorito dos participantes (24 votos), ‘Walk Around Music’ por Hannah LaSota (University Park, USA) l. Image Cortesia de Archiprix International
Favorito entre participantes (24 votos), ‘Walk Around Music’ by Hannah LaSota (University Park, EUA). Image Cortesia de Archiprix International
Favorito entre participantes (24 votos), ‘Walk Around Music’ by Hannah LaSota (University Park, EUA). Image Cortesia de Archiprix International

Em termos de tamanho, o Archiprix Internacional pode estar atingindo seus limites. O catálogo inclui a lista completa de todas as 1700 escolas de arquitetura / urbanismo / paisagismo do mundo, uma lista telefônica, indicando também quais escolas contribuíram para este Archiprix e quais participaram dos anteriores. Algumas escolas apoiaram todos os nove eventos, algumas tentaram uma vez e nunca retornaram. Ao "aterrissar" o evento cada vez em um país diferente e continente, a organização Archiprix espera persuadir as escolas "locais" para participarem. Com bom resultado, porque o número total ainda está crescendo. Há também um número crescente de países que criam Archiprix nacional, inspirado no original holandês (que remonta a 1979). Ótimo, mantenham o bom trabalho. Mas parece que algumas das escolas mais prestigiadas, como as escolas da Ivy League nos EUA, não estão (ainda) participando. Pode-se pensar em duas razões: para as grandes escolas é simplesmente demasiado complexo selecionar e enviar um plano, ou não há uma pessoa assumindo a responsabilidade pelo processo (no final, são sempre os indivíduos que fazem a diferença). Outra poderia ser o elemento de competição: se, digamos que um graduado de Columbia não ganhar um prêmio, ou pior, nem sequer seja nomeado, a escola perdeu. Algumas escolas não querem ser expostas a tais "críticas". Participar inclui assumir um risco.

Um desafio mais fundamental é que a arquitetura vem se tornando cada vez mais uma atividade e um processo interdisciplinar, em que o arquiteto é um dos conselheiros. Este "processo integral" de desenvolvimento, resultando na colaboração entre diferentes competências e disciplinas é muito mais difícil de apresentar em seis painéis e julgar sem ler extensas explicações. Escolas também irão selecionar com o potencial do projeto para o sucesso em mente. E a fórmula Archiprix parece particularmente adequada para dar a arquitetos brilhantes uma exposição extra, magos com espaço e material. Hoje, isso pode não ser prioridade quando se trata de gerar atenção e reposicionar a relevância, do campo de conhecimentos chamados arquitetura.

‘A Different Kind of Museum’ por Andrei Puică (Timisoara, Romênia). Image Cortesia de Archiprix International
‘A Different Kind of Museum’ por Andrei Puică (Timisoara, Romênia). Image Cortesia de Archiprix International

As oficinas são claramente uma tentativa de alargar a fórmula e incluir alguns aspectos que são muito mais difíceis de obter através da própria competição. Como colaboração, como abordar questões locais de origens (literalmente) diferentes, como o papel da pesquisa. E ainda, como fazer isso mais do que uma experiência importante na vida de cerca de oitenta jovens profissionais é um desafio. A transmissão em tempos multimídia ainda é uma luta séria.

Há também um desafio quando se trata de fazer conexões com o campo de produção. Como chegar, como organização Archiprix, a tomadores de decisão, criadores de políticas públicas, clientes corporativos e assim por diante? Os países que começaram seu próprio Archiprix nacional parecem ter mais sucesso no estabelecimento de tais conexões, aproveitando o prestígio que vem com o Archiprix International. Mas continua a ser uma dura realidade.

Parece que a profissão de arquiteto está sendo desafiada de dois lados. Parte do conhecimento profissional do arquiteto é e será ainda absorvida por sistemas especialistas, em conexão direta com a indústria da construção e produção. E parte do pensamento e do controle do arquiteto sobre o "projeto" é assumido pelo consumidor, sendo bastante capaz de indicar suas próprias necessidades e preferências. Isso não deixa o arquiteto de mãos vazias, mas coloca a questão: como você prepara o profissional - anteriormente conhecido como o arquiteto (como diz Kas Oosterhuis) - para as tarefas e os desafios? Como fornecer uma plataforma que estimule o talento capaz de executar sob tais condições?

Projetos de graduação vencedores do Archiprix International / Hunter Douglas Awards 2017

Após anunciar os 23 finalistas, nominados em novembro de 2016, o Prêmio Archiprix International / Hunter Douglas 2017 anunciou os 8 projetos vencedores em 10 de fevereiro no campus da Universidade de CEPT, Ahmedabad, Índia. Em sua nona edição, Archiprix International é um evento bienal que premia os melhores projetos de graduação de estudantes de todo o mundo, em Arquitetura, Urbanismo e Paisagismo.

Cita: Arjen Oosterman. "São esses os melhores trabalhos de graduação de 2017?" 14 Abr 2017. ArchDaily Brasil. Acessado . <http://www.archdaily.com.br/br/869182/sao-esses-os-melhores-trabalhos-de-graduacao-de-2017>
Ler comentários