i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Por que é urgente falarmos de mobilidade e gênero

Por que é urgente falarmos de mobilidade e gênero

Por que é urgente falarmos de mobilidade e gênero
Por que é urgente falarmos de mobilidade e gênero, © Stefano Aguiar
© Stefano Aguiar

Dentre tantos temas urgentes no debate sobre gênero, há uma questão que merece destaque: a mobilidade das mulheres.

Caso você nunca tenha pensado sobre isso, pode parecer que a mobilidade urbana e seus condicionamentos relacionam-se a padrões de deslocamento que variam apenas de acordo com a territorialidade e a oferta de sistemas de transporte. Mas a verdade é que o acesso à cidade – a forma como navegamos no território – não é neutro quanto ao gênero.

Isso acontece porque as atividades desempenhadas por homens e mulheres são socialmente diferentes, de forma que elas são as principais responsáveis pelo trabalho doméstico e pelo cuidado com a família nuclear e estendida. Em dupla jornada, são as mulheres as responsáveis pela ida ao mercado, pelo auxílio aos membros da família em idade avançada, por buscar e trazer crianças na escola, pelos cuidados com a saúde de todos.

Tudo isso é facilmente verificável no cotidiano e também nas pesquisas sobre mobilidade. Diversos estudos demonstram que as mulheres utilizam o transporte público coletivo com mais intensidade do que os homens e se deslocam mais a pé. Para aquelas que precisam se deslocar a partir das periferias, a vida na cidade pode ser profundamente desafiadora.

© Stefano Aguiar
© Stefano Aguiar

Pesquisa da ActionAid com 306 mulheres moradoras de áreas periféricas em Pernambuco, Rio Grande do Norte, São Paulo e Rio de Janeiro demonstrou que a falta de segurança restringe mobilidade de forma muito efetiva: 75% das entrevistadas revelaram que já desviaram seu trajeto por conta da escuridão da rua; 70% já deixou de sair de casa em determinado horário por receio de sofrer algum tipo de assédio. Becos, praças, paradas de ônibus e vias públicas são considerados lugares inseguros por mulheres de todas as localidades.

Para construir cidades equitativas, é importante compreender com maior clareza quais as assimetrias de acessibilidade e padrões de circulação entre homens e mulheres. As oportunidades urbanas devem ser acessíveis a todos e todas, de modo que o recorte de gênero seja sempre incluído nas análises e pesquisas sobre mobilidade. Isso é algo que podemos fazer concretamente agora.

Nossas cidades precisam oferecer vivência plena de suas oportunidades para todos e todas. Discutir mobilidade do ponto de vista do gênero é fundamental para atingirmos este objetivo.

Cita: ITDP Brasil. "Por que é urgente falarmos de mobilidade e gênero" 11 Abr 2017. ArchDaily Brasil. Acessado . <http://www.archdaily.com.br/br/868899/porque-e-urgente-falarmos-de-mobilidade-e-genero>
Ler comentários