i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Casas
  4. Portugal
  5. André Tavares
  6. 2015
  7. Casas de Campo no Trebilhadouro / André Tavares

Casas de Campo no Trebilhadouro / André Tavares

  • 09:00 - 30 Janeiro, 2017
Casas de Campo no Trebilhadouro / André Tavares
Casas de Campo no Trebilhadouro / André Tavares, © Arménio Teixeira
© Arménio Teixeira

© Arménio Teixeira © Arménio Teixeira © Arménio Teixeira © Arménio Teixeira + 27

  • Arquitetos

  • Localização

    Vale de Cambra, Portugal
  • Arquiteto Responsável

    André Tavares
  • Especialidades

    Ana Rita Moura, Carlos Moura, Fernando Meireles
  • Construção

    Rogério B. Santos Construções Lda.
  • Colaboração

    Mariana Alves e Diogo Ramalho
  • Área

    897.0 m2
  • Ano do projeto

    2015
  • Fotografias

© Arménio Teixeira
© Arménio Teixeira

Do arquiteto. A obra apresentada consiste na transformação de 9 casas para Turismo no Espaço Rural, dispersas pela aldeia do Trebilhadouro que, pelo seu tamanho reduzido e pela proximidade das construções, vê assim grande parte do seu patrimônio construído ser reabilitado.

© Arménio Teixeira
© Arménio Teixeira
© Arménio Teixeira
© Arménio Teixeira

A aldeia do Trebilhadouro localiza-se na vertente Poente da serra da Freita, em Vale de Cambra, a cerca de 625m de altitude. A sua posição estratégica permite-lhe uma visão privilegiada do território circundante nomeadamente a Ria de Aveiro.

Trata-se de uma aldeia de pequena dimensão, onde as construções se implantam segundo um percurso central que atravessa toda a povoação. Este percurso, com um acesso a partir da estrada municipal, atravessa uma série de socalcos agrícolas para chegar até à cota estável onde se situa a aldeia. No centro da povoação situa-se a fonte e a represa para rega dos terrenos.

Implantação
Implantação
Cortes
Cortes

As construções são de pequena dimensão, maioritariamente com dois pisos, em alvenaria de pedra com estrutura da cobertura e pisos intermédios em madeira e cobertura em telha cerâmica. O piso térreo destinava-se sobretudo aos animais e alfaias agrícolas sendo o piso superior reservado à habitação. Trata-se de casas modestas com áreas exíguas e de construção rudimentar salientando-se a qualidade do conjunto arquitetônico, da sua implantação no território e não tanto pela qualidade arquitetônica individual.

A aldeia encontrava-se numa situação frágil, as construções em ruína possuíam poucas memórias do seu passado, tornou-se necessário rescrever um. Com base no existente e com uma análise do edificado na região, chegou-se a um princípio de intervenção onde se procurou recuperar a linguagem arquitetônica característica destas construções. As ampliações pontuais seguiram o princípio construtivo primitivo, tanto a nível material como no seu desenho. Pretendeu-se uma imagem coerente e homogênea para o conjunto das casas intervencionadas.

© Arménio Teixeira
© Arménio Teixeira
© Arménio Teixeira
© Arménio Teixeira

O tamanho da aldeia não permite uma grande diversidade e contraste de linguagens. A oportunidade de recuperar grande parte das construções ainda restantes revelou-se de uma enorme responsabilidade por poder constituir-se como um corpo construído de referência a futuras recuperações, como veio a verificar-se mais tarde.

O programa moldou-se à compartimentação primitiva, privilegiando-se a leitura do espaço interior na sua totalidade concentrando espaços de de serviço em pequenas “caixas”. Procurou-se preservar a escala reduzida das casas como memória e sempre que necessário, reproduziram-se as proporções destes espaços.

© Arménio Teixeira
© Arménio Teixeira
© Arménio Teixeira
© Arménio Teixeira

Procurou-se definir uma hierarquia na caracterização dos espaços recorrendo-se a dois sistemas de pormenorização distintos: o primeiro, em construções de pequena dimensão, caracteriza-se pela simplificação dos encontros entre materiais usando-se a betonilha aditivada com óxido de ferro “queimada” à colher nos pavimentos, alvenaria de pedra aparente nas paredes e tectos com os vigamentos aparentes; um segundo, em construções de maior relevância, recorre a remates em madeira como rodapés e guarnições e revestimentos de tecto em madeira tipo “Capa e Camisa”. A hierarquia na pormenorização, presente na Arquitetura Popular Portuguesa, apresenta-se neste caso relacionada com a importância do compartimento.

Para esta obra privilegiou-se a utilização de materiais de proveniência local como as madeiras autóctones como o Pinho e o Eucalipto e outros materiais como o granito amarelo da região. A mão-de-obra, proveniente da região, aplicou técnicas de construção artesanais.

© Arménio Teixeira
© Arménio Teixeira
© Arménio Teixeira
© Arménio Teixeira

As cantarias utilizadas na ampliação dos volumes em pedra tiveram origem em demolições e foram reaproveitadas neste contexto, resultando no reaproveitamento de um material e numa melhor integração do novo em relação às alvenarias primitivas.

© Arménio Teixeira
© Arménio Teixeira
Cita: "Casas de Campo no Trebilhadouro / André Tavares" [Rural houses refurbishment in Trebilhadouro / André Tavares] 30 Jan 2017. ArchDaily Brasil. Acessado . <http://www.archdaily.com.br/br/803937/casas-de-campo-no-trebilhadouro-andre-tavares>