i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Governo torna obrigatório que edifícios públicos federais sejam energeticamente eficientes

Governo torna obrigatório que edifícios públicos federais sejam energeticamente eficientes

Governo torna obrigatório que edifícios públicos federais sejam energeticamente eficientes
Governo torna obrigatório que edifícios públicos federais sejam energeticamente eficientes, Cobertura do Restaurante Universitário da UFSC. No chão, domos translúcidos permitem a entrada de luz natural no térreo da edificação.. Image © Flávio Tin / ND
Cobertura do Restaurante Universitário da UFSC. No chão, domos translúcidos permitem a entrada de luz natural no térreo da edificação.. Image © Flávio Tin / ND

Desde a década de 1990, quando um decreto presidencial criou o selo Procel de eficiência energética, muitos brasileiros começaram a prestar atenção na etiqueta indicativa de consumo antes de comprar um eletrodoméstico. A obrigatoriedade do selo foi estendida para edifícios públicos federais no mês passado através da publicação no Diário Oficial da União pela Secretaria de Logística e Tecnologia da normativa IN02/2014, que obriga edificações novas ou em processo de reformas a serem “etiquetadas”.

Dos 25 prédios públicos que já possuem a ENCE (Etiqueta Nacional de Conservação de Energia) no país, cinco estão em Florianópolis, e destes, quatro são prédios do campus da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina), dentre os quais o Restaurante Universitário.

Dentre os aspectos que contribuem para uma boa classificação estão algumas estratégias passivas, como o uso de cores claras para a pintura - refletindo parte da radiação solar - , aproveitamento da iluminação natural nos espaços internos, emprego de vegetação na cobertura, etc.

Se a edificação já estiver concluída, o processo de classificação – que atribui valores de A a E – pode levar aproximadamente um mês. São avaliados três itens principais: projeto arquitetônico, lumínico e o sistema de condicionamento de ar. Além disso, podem ser atribuídos “pontos extras” se a edificação também utilizar energia de fontes renováveis ou reutilizar a água da chuva, por exemplo.

O programa de avaliação de consumo de energia em edificações começou a ser feito em 2009. Edifícios privados, como casas, edifícios residenciais e comerciais também podem passar pelo processo de etiquetagem.

O que é avaliado na edificação:

  • Fachada e envoltória: devem evitar extremos de temperatura nos ambientes internos;
  • Iluminação: aberturas na cobertura devem permitir a entrada de iluminação natural;
  • Condicionamento de ar: o aproveitamento da ventilação natural reduz o consumo de energia pelo uso de ventiladores e aparelhos de ar-condicionado;
  • Os pontos extras são atribuídos caso a edificação conte com equipamentos de geração de energia renovável - como painéis fotovoltaicos - e reutilize a água da chuva.

Referência: ndonline

Cita: Romullo Baratto. "Governo torna obrigatório que edifícios públicos federais sejam energeticamente eficientes" 11 Jul 2014. ArchDaily Brasil. Acessado . <http://www.archdaily.com.br/br/623839/governo-torna-obrigatorio-que-edificios-publicos-federais-sejam-energeticamente-eficientes>