LED: vantagens e desafios para a iluminação contemporânea / Pascal Chautard

Uma grande quantidade de publicações sobre temas de iluminação é encontrada e sempre se explica que: “tal, ou tal novo projeto” é muito melhor porque está feito geralmente com LEDs, com pouquíssimo ou até mesmo sem nenhum argumento técnico ou econômico sério que permita demonstrar que definitivamente: É melhor porque é com LEDs.

Vía Flickr © Domiriel

O caso dos LEDs é muito interessante, porque é a inovação tecnológica em iluminação onde mais se tem investido dinheiro nos últimos tempos. Apenas em pouco mais de dez anos, são centenas de empresas da Ásia, Europa e Estados Unidos que investiram bilhões de dólares em pesquisas e desenvolvimento referentes aos LEDs. Hoje se faz necessário vender todos os produtos que estão sendo fabricados de qualquer jeito e para isso, estão fazendo um lobbying  tão forte que qualquer cidadão já está convencido de que: SE É LED É BOM, SE É LED É EFICIENTE, SE É LED É ECOLÓGICO,….

Os LEDs são, sem dúvida, uma tecnologia muito interessante, que ainda terá um desenvolvimento técnico importante, e ganhará espaço no mundo da iluminação elétrica. Porém, esta deve ser considerada como uma ferramenta a mais, uma fonte de iluminação a mais que temos à nossa disposição e não como a única solução diante de todos os assuntos de iluminação, sobretudo em lugares como o Chile ou a América Latina.

Revisaremos a seguir, alguns assuntos relacionados à tecnologia LED e suas supostas vantagens.

Vía Flickr © Michael Spencer

OS LEDS ILUMINAM MAIS DO QUE AS OUTRAS TECNOLOGIAS

Uma das promessas dos vendedores, é que os LEDs produzem muito mais luz do que as fontes de iluminação tradicionais.  Isto é em grande parte falso. Apesar de que em laboratórios efetivamente foram feitas provas nas quais os valores alcançados são muito prometedores, na realidade os LEDs da melhor qualidade não ultrapassam nem sequer os tubos fluorescentes na relação fluxo de iluminação v/s consumo elétrico, nem as lâmpadas de descarga como as de sódio que estão chegando hoje a níveis parecidos aos das lâmpadas de multivapor metálico.

Portanto, os LEDs emitem luz, é verdade, mas não em quantidade suficiente para justificar a mudança de uma instalação com tubos fluorescentes existentes como é proposto por aí.

Vía Flickr © metaefficient

OS LEDS NÃO SE ESQUENTAM

Absolutamente falso, os LEDs definitivamente geram uma grande quantidade de calor, razão pela qual se devem projetar sistemas muito complexos e caros de esfriamento (heat sink), para assim manter o LED em boas condições. Se não for assim, os mesmos serão degradados e sua vida útil será acelerada drasticamente. Basta observar qualquer luminária de LEDs profissional para ver as dimensões e a quantidade de alumínio utilizada nestes radiadores.

Hoje, existem várias luminárias até com ventiladores incorporados para esfriar os LEDS. Obviamente, esta situação também tem um impacto sobre o dimensionamento dos sistemas de climatização dos edifícios. Dessas coisas os vendedores de LEDs não falam, não é verdade?

Dissipadores passivos para lâmpadas de baixa potência de LED

A VIDA ÚTIL DOS LEDS É MUITO MAIS LONGA

No início dos anos 2000, todos os fabricantes prometiam 100.000 horas de vida útil, ou seja, mais de 11 anos de uso contínuo, o que parecia fantástico. Poucos anos depois, muitos fabricantes já prometiam apenas 50.000 horas de vida útil. Hoje, a maioria dos fabricantes profissionais sérios fala de uma média de 15.000 a 30.000 horas, o que é muito mais próximo a outras fontes tradicionais.

Por que a vida útil dos LEDs foi tão encurtada em apenas 10 anos?

Como se mede esta duração de vida útil?

Por “consenso”, a vida útil dos LEDs é medida sobre um universo de 100 LEDs, quando um 50% ainda produz 70% de seu fluxo inicial.

A duração da vida útil depende da forma em que cada fabricante avalia, em seu laboratório, a vida útil esperada de seus equipamentos LEDs, e na verdade isso se determina em função do manejo térmico/controle da temperatura de união no LED e de sua correta alimentação elétrica, o que depende da qualidade dos componentes eletrônicos de alimentação, e é bastante variável entre um fabricante e outro.

Por exemplo, um LED do fabricante “A” pode ter uma vida útil de 50.000 horas dentro da luminária “B”, porém, apenas 30.000 horas dentro da ”C”, isso é em função do controle de fluxo de corrente e da dispersão de calor.

Vía Flickr © mark hogan

O AVANÇO TECNOLÓGICO E A POSSIBILIDADE DE MANUTENÇÃO

A tecnologia dos LEDs está em permanente evolução e cada dia aparecem novos equipamentos e sistemas diferentes. Isso transforma os equipamentos LEDs em equipamentos descartáveis. Os fabricantes mudam constantemente seus equipamentos para continuar com a evolução tecnológica e os produtos do ano anterior ficam obsoletos. Além disso, não existe nenhum tipo de padronização e cada fabricante produz equipamentos onde não existe necessariamente compatibilidade com outro.

Se pegarmos o exemplo de uma luminária tradicional de iluminação pública que hoje tem dez ou quinze anos, esta ainda pode ser facilmente mantida. Pode-se trocar a lâmpada por outra (em geral de várias marcas), pode-se mudar os componentes elétricos, acessórios e a luminária pode continuar funcionando. Com os LEDs isso é impossível, geralmente um ou dois anos despois de sua comercialização os modelos devem ser substituídos por outros diferentes e já não é possível consertar, não existem peças de reposição, ficam obsoletos.

O que as prefeituras farão diante de um caso de defeitos ou de vandalismo de algumas luminárias?

Como se pode ampliar um projeto existente depois de alguns anos?

Vía Flickr © indal lighting

A QUALIDADE DA LUZ BRANCA EMITIDA PELOS LEDS

Os LEDs não emitem luz branca, mas sim luz colorida: vermelho, azul, verde, ou âmbar, portanto para que emitam luz “branca” são acrescentadas camadas de fósforos, e assim uma luz azul chega a uma luz “branca”. Contudo, na verdade, muitas vezes possui uma cor amarelada, meio verde ou violeta, então existe um sério problema com a qualidade da luz que os LEDs fornecem. Em geral todos os LEDs de baixo custo produzem uma “luz branca” de péssima qualidade que dificulta uma boa visão do entorno e atenta ao conforto visual dos usuários do lugar.

Existem LEDs que emitem uma luz branca de qualidade aceitável, porém somente são integrados em equipamentos de custo muito alto e emitem menos luz que as fontes tradicionais, como é o fluorescente, já que a quantidade de camadas necessárias para filtrar desde o azul até o branco é maior, o que diminui muito seu rendimento. Outros fabricantes adicionam alguns LEDs vermelhos no meio dos brancos para melhorar a aparência da cor.

Vía Flickr © indal lighting

A ILUMINAÇÃO É UM ASSUNTO DE PROFISIONAIS, OS LEDS UM ASSUNTO DE AMADORES.

Os equipamentos profissionais de iluminação são fabricados e vendidos por empresas profissionais de iluminação, as quais devem ter sólidos conhecimentos técnicos e devem certificar a maioria dos equipamentos que importam. Por exemplo, quando a OSRAM quer importar um tubo fluorescente ao Chile, deve mandar certificar, por um laboratório autorizado, a qualidade de seu produto para ter a autorização de vendê-lo no mercado.

É muito diferente com vários dos LEDs, a maioria das empresas que tem se dedicado nos últimos anos ao “negócio dos LEDs”, antes comercializava café, meias ou fósforos e não tem nenhum conhecimento técnico em iluminação. São comerciantes que entraram no “negócio dos LEDs” trazendo da Ásia alguns contendores de equipamentos e prometendo o céu para os clientes, obviamente sem nenhum conhecimento prévio em iluminação e eles não precisam de nenhuma certificação.  Podem vender os produtos que quiserem no mercado, sem cumprir com nenhuma norma nem certificação, e muitas vezes aproveitando o pouco conhecimento dos clientes finais para lhes prometer maravilhas que não serão cumpridas.

Vía Flickr © indal lighting

O PREÇO DOS LEDS

Os equipamentos profissionais de iluminação equipados com LEDs custam hoje desde o dobro até o quádruplo dos equipamentos de iluminação equivalente com fontes tradicionais, portanto estamos diante de um problema, já que os custos de investimento das construções no Chile e na região, ainda são muito inferiores aos da Europa e dos Estados Unidos e que o estado não subvenciona a instalação desse tipo de equipamentos como às vezes acontece em outros países. Em nível profissional, ainda não é possível trabalhar em iluminação geral de edifícios com tecnologia LED, porque não há orçamento que resista.

PARA QUE OS LEDS SÃO UMA BOA SOLUÇÃO?

Entre outras podemos citar algumas aplicações, para as quais os LEDs são uma solução:

  •   São sem dúvida uma excelente solução quando se precisa usar luz colorida, já que emitem muito mais luz que qualquer outra fonte que se tenha que filtrar e permitem produzir uma grande quantidade de cores pela adição do vermelho, verde, Azul, …
  • Também são uma excelente solução para várias aplicações específicas em arquitetura, como os sistemas lineares de LEDs que ocupam um espaço muito reduzido e permitem realizar efeitos decorativos muito atrativos.
  •  São muito interessantes também quando se requer quantidades muito pequenas de luz, em zonas delimitadas, existem equipamentos de 1W, 2W, 3W, 5W,…  que permitem efeitos muito precisos em superfícies muito definidas ou em espaços muito pequenos
  • São uma ótima solução para tudo o que se refere a iluminação de sinalização, como são por exemplo os semáforos,…
  • São uma excelente fonte de iluminação para veículos e algumas aplicações industriais por serem insensíveis às vibrações.
Vía Flickr © ESI_design

Cita:Victor Delaqua. "LED: vantagens e desafios para a iluminação contemporânea / Pascal Chautard" 15 May 2013. ArchDaily. Accessed . <http://www.archdaily.com.br/br/01-69510/led-vantagens-e-desafios-para-a-iluminacao-contemporanea-pascal-chautard>
comments powered by Disqus